Você está aqui: Página Inicial / Notícias do Setor / Notícias do setor / Revitalização de lâmpadas da GRI vence o premio FIESP de mérito ambiental

Revitalização de lâmpadas da GRI vence o premio FIESP de mérito ambiental

Fonte: FIESP - Data: 07/06/2013

Fiesp divulga vencedores da 19ª edição do prêmio de Mérito Ambiental

Iniciativa reconhece projetos ambientais de duas empresas do interior paulista: Notox (Piracicaba) e GRI (Americana)

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Como acontece anualmente, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) entregou, nesta quinta-feira (06/06), o Prêmio de Mérito Ambiental, iniciativa que busca incentivar as boas práticas no setor produtivo.

Na categoria micro e pequena empresa, a vencedora foi a Notox Indústria e Comércio de Biolubrificantes (Piracicaba-SP). Entre as médias e grandes empresas, o prêmio ficou com a Gerenciamento de Resíduos Industriais – GRI (Americana-SP), que faz parte do grupo Solvi.

Representantes das empresas vencedoras do Prêmio Mérito Ambiental

Com o projeto “Pesquisa, desenvolvimento e formulação de biolubrificantes, contratipos estes aos de lubrificantes industriais à base de derivados de petróleo ‘não-recolhíveis’, comercialmente mais utilizados”, a empresa Notox fez com que o efluente gerado a partir de emulsões de óleos com base vegetal se tornasse mais fácil de ser tratado. Isso resultou em menor gasto de reagente, facilitando o tratamento biológico da água resultante do processo de separação do óleo, dispensando a correção de pH no final do processo.

O assessor da diretoria da Notox, João Adolfo Ponchio, representou a empresa na cerimônia de premiação. “É uma alegria muito grande receber esse incentivo ao nosso trabalho, o que é muito importante para uma microempresa que enfrenta tantas dificuldades. É motivo de muito orgulho para nós.”

O outro projeto vencedor ,“Revitalamp”, da GRI, tem como objetivo buscar uma solução para o resíduo de lâmpadas fluorescentes e de vapores metálicos. A empresa identificou uma tecnologia de conserto de lâmpada em parceria com a Revitaluz, com capacidade de processar 340 mil lâmpadas/mês, sem perda de funcionalidade ou eficiência energética. Além de vantagens econômicas, também colabora com o meio ambiente, já que as lâmpadas têm grande potencial poluidor.

Para Rafael Giachino, gerente comercial da GRI, o prêmio é resultado do investimento da empresa em inovação. “O prêmio Mérito Ambiental é inovador. E também foi por meio da inovação e da tecnologia que a GRI chegou até a criação da Revitalamp, uma nova empresa dentro do nosso grupo. É um prazer receber a premiação como essa de uma instituição tão importante como a Fiesp.”

Menções honrosas
Além dos prêmios para as duas empresas, também foram entregues menções honrosas, por meio do diploma de Mérito Ambiental para três empresas: Companhia Brasileira de Alumínio (CBA, do Grupo Votorantim), Maxion Wheels e Usina São Luiz.

A CBA apresentou o projeto Alumina-Trim Liquor para redução do consumo de recursos naturais e geração de resíduos.

Já a Maxion Wheels (Limeira/SP), divisão da Iochpe-Maxion, inscreveu seu programa de sustentabilidade, que inclui o uso de energia eólica na planta de Limeira, a redução de massa de rodas e a separação de óleo hidráulico da ferramentaria.

A Usina São Luiz (Ourinhos/SP) concorreu com o projeto de Bazar Ecológico, que busca conscientizar colaboradores da empresa da importância da preservação ambiental.

XV Semana Fiesp/Ciesp
A cerimônia de premiação marcou o encerramento da XV Semana Fiesp/Ciesp de Meio Ambiente.

O vice-presidente da Fiesp e diretor titular do Departamento de Meio Ambiente (DMA) da instituição, Nelson Pereira dos Reis,  destacou o tema desta edição do seminário, que tratou das políticas ambientais do sistema financeiro.

Nelson Pereira dos Reis, diretor do Departamento de Meio Ambiente da Fiesp

“Foi um evento muito importante, embora tenhamos ainda muitas questões a serem resolvidas. A grande preocupação do setor produtivo é que normas do Banco Central não impliquem em custos adicionais nos financiamentos que as empresas vão ter que obter junto ao sistema financeiro”, declarou.

“Não queremos revogar os avanços ambientais, mas sim consolidar todos eles.”